Solicitar orçamento

Aeroclube de Juiz de Fora

TIRE SUAS DÚVIDAS: (32) 3233-1004 contato@aeroclubejf.com.br (32)99910-8001
  • Home
  • Voo Panorâmico
    • Leia artigos e visualize nossas galerias de fotos

      previous arrow
      next arrow
      Slider

      Confira fotos de nossas instalações e nossos eventos.

      previous arrow
      next arrow
      Slider

      Artigos sobre aviação e tudo que acontece no Aeroclube de Juiz de Fora.

Login - Flight Center


 
Após 20 anos, ANAC comanda mudança na matrícula de aviões brasileiros

Após 20 anos, ANAC comanda mudança na matrícula de aviões brasileiros

O Brasil deverá ampliar suas marcas de nacionalidade de matrícula, adicionando ainda este ano o prefixo PS- em complemento a sequência PR, PP e PT, em uso atualmente. Adicionado no início dos anos 2000, a série PR dava continuidade aos registros brasileiros, que até então estavam restritas as combinações PP e PT, adotadas no começo do século 20.

A ampliação da frota era prevista, com a reserva do prefixo PS para aeronaves homologadas. Após quase duas décadas a primeira aeronave a receber a nova sequencia será um helicóptero AW139, que será identificado como PS-BFF.

REGULAMENTAÇÃO SURGIU NOS PRIMÓRDIOS DA AVIAÇÃO

Por normas internacionais, cada aeronave civil deve ser registrada com marcas de nacionalidade e de matrícula, conforme uma sequência internacional aprovada pela Organização Internacional da Aviação Civil, uma agência especializada das Nações Unidas criada em 1947, tendo hoje 191 países-membros e dedicada a regulamentação internacional da aviação.

A primeira regulamentação internacional para registro de aeronaves ocorreu em 1919, durante o International Air Navigation Convention, que aconteceu em Paris. Na ocasião o Brasil adotou o prefixo P- seguido de quatro letras para registro de suas aeronaves, que deveria começar com a sequência P-AAA.

Uma nova convenção internacional, ocorrida em Washington, em 1927 e realizada pela International Radiotelegraph Convention, revisou as marcas nacionais. O Brasil então adotou a sequência PT para aeronaves da aviação geral e PP para aviação regular. Os Estados Unidos passaram a utilizar a série N seguia de até cinco caracteres alfanuméricos, enquanto o Reino Unido optou pela série G (Great Britain) seguida de quatro letras, assim como a Alemanha escolheu a letra D (Deutschland), mais quatro letras, a França a letra F (France) também seguida de quatro letras, entre outros países. Curiosamente na ocasião a letra B estava disponível, mas o Brasil escolheu uma sequência não relacionada a primeira letra de seu nome, como fizeram outros países. A letra B foi adotada pela China.

Ainda que existam algumas restrições nos registros de aeronaves brasileiras, que excluí algumas séries de combinações SOS, VFR, IFR, IMC, entre outros, a mais recente combinação PR-  tinha disponível quase 999 possibilidades, que agora começam a esgotar. A adoção já prevista do prefixo PS deverá proporcionar mais uma ou duas décadas de registros ao país.

O prefixo PU, também detido pelo Brasil é restrito a aeronaves experimentais não homologadas.

Por Edmundo Ubiratan | Imagens: Divulgação em 17 de Julho de 2019 às 11:00
Revista Aeromagazine (link da matéria)

Aeroclube de Juiz de Fora

Há 81 anos, o Aeroclube de Juiz de Fora é uma escola de aviação civil que prioriza a segurança e a qualidade profissional na formação de seus pilotos, oferecendo diversos cursos na área de aviação, como Piloto Privado Avião e Piloto Comercial Avião, além de proporcionar voos panorâmicos para a população de Juiz de Fora e região.

Deixe uma resposta

Fechar Menu