Solicitar orçamento

Aeroclube de Juiz de Fora

TIRE SUAS DÚVIDAS: (32) 3233-1004 contato@aeroclubejf.com.br (32)99910-8001
  • Home
  • Voo Panorâmico
    • Leia artigos e visualize nossas galerias de fotos

      previous arrow
      next arrow
      Slider

      Confira fotos de nossas instalações e nossos eventos.

      previous arrow
      next arrow
      Slider

      Artigos sobre aviação e tudo que acontece no Aeroclube de Juiz de Fora.

Login - Flight Center


 

Curso de Voo por Instrumentos (IFR)

O curso de voo por instrumentos (IFR) é uma habilitação adicional que o piloto de avião pode realizar nas licenças do Curso de Piloto Comercial, porém também pode ser realizado com a licença do Curso de Piloto Privado. O treinamento de voo por instrumentos é recomendado para pilotos de avião que possuam a licença do Curso de Piloto Comercial, porém também pode ser realizado com a licença do Curso de Piloto Privado, com a ressalva que só poderá voar aeronaves particulares e em função não remunerada. O piloto estará apto a voar em condições meteorológicas adversas, utilizando apenas os instrumentos de bordo.

APÓS CONCLUÍDO:

Você poderá realizar treinamento para Instrutor de Voo ou ainda pilotar aviões pequenos, acumulando experiência para prosseguir na sua carreira.

PRÉ-REQUISITOS:

  • Ser portador da licença de Piloto Privado ou Piloto Comercial
  • Ser portador do Exame Médico de 1º Classe
  • Aprovação na Banca da ANAC de Piloto Comercial – IFR
  • Possuir 50 horas de Voo como Piloto em Comando em voo de navegação, das quais no mínimo 10 Horas tenham sido realizadas em aeronave da categoria para qual é requerida a habilitação.Treinamento: (realizado dentro do Curso de Piloto Comercial)

ESTÁ DIVIDIDO EM 47 HORAS DE VOO, SENDO:

  • 20 horas de voo por instrumentos, local e rota.
  • 25 horas de voo em simulador.
  • 02 horas de voo de cheque ANAC.

Aeronaves utilizadas

Tupi

Tupi

Tupi

Aeronave de 4 lugares.

O Tupi é uma aeronave de fabricação nacional, de asa baixa, de fácil pilotagem e com excelente desempenho no treinamento de pilotos. Comporta até quatro ocupantes, devidamente equipada para a realização tanto de voos visuais como por instrumentos.

O Piper Arrow é uma econômica aeronave monomotor a pistão de pequeno porte, com construção convencional metálica e com asa baixa, com capacidade para transportar com razoável conforto um piloto e três passageiros, em viagens intermunicipais e interestaduais (rotas domésticas), projetada e fabricada em larga escala nos Estados Unidos a partir da década de 1960 pela então Piper Aircraft (atualmente New Piper Aircraft), que utilizou como base o modesto projeto de aeronave monomotor a pistão Piper Cherokee, do mesmo fabricante.

Sem grandes pretensões de tornar o Piper Cherokee uma aeronave sofisticada para atender às exigências de consumidores e usuários de altíssimo poder aquisitivo, a então Piper Aircraft deu continuidade, na década de 1960, ao desenvolvimento do modesto projeto denominado PA-28, com o lançamento da sua versão melhorada Piper Arrow, com trem de pouso retrátil. Até o final da década de 1980, o Piper Arrow cumpria as pretensões da Piper Aircraft e, atualmente, ainda cumpre praticamente as mesmas pretensões da New Piper de competir no mercado aeronáutico mundial de aviação geral, treinamento e táxi aéreo com uma aeronave relativamente barata, muito econômica, com acabamento simples, fácil de pilotar, projetada para viagens tranquilas com o uso responsável dos instrumentos de bordo, planejadas antecipadamente com cuidado pelo piloto.

Atualmente, é possível equipar em oficinas homologadas o Piper Arrow com o stormscope, o GPS e o TCAS, PFD e MFD Aspen ou Garmin 500, entre outros. Na versão mais recente do Arrow, o GPS está disponível de fábrica, integrado ao EFIS (Electronic Flight Instrument System), mas o stormscope e o TCAS podem ser adquiridos e instalados em oficinas. O stormscope, o GPS e o TCAS são instrumentos de fundamental importância para viagens seguras e tranquilas, sem surpresas desagradáveis na rota.

O Piper Arrow faz parte da família PA-28, lançada pela Piper Aircraft na década de 1960 com a versão Piper Cherokee e, posteriormente, na década de 1970, com os modelos Piper Warrior, Piper Archer e Piper Dakota. No total, incluindo as versões licenciadas para fabricação por outros fabricantes em outros países, incluindo o Brasil, são mais de 32.000 unidades vendidas até hoje, um gigantesco sucesso de vendas, um fenômeno impressionante, é um dos projetos mais conhecidos de aeronaves leves a pistão do mundo, é comum vê-las em hangares ou pátios de aeródromos e aeroportos de cidades do interior.

Cessna 172

Cessna 172

Cessna 172

O Cessna 172 tem reputação de aeronave extremamente fácil de pilotar e robusta. Bastante estável, é apreciada para voo de lazer e viagem. Com baixa carga alar (peso / área das asas) e asas de perfil convencional de alta sustentação, pode operar em pistas curtas e mal preparadas (saibro, cascalho, grama, etc).

Os flaps são do tipo slotted (fenda), e defletem em ângulo de até 40 graus. A atuação dos mesmos é elétrica, com motor instalado na asa direita comandado através de switch no painel.

As asas são do tipo alta semi-cantilever e o trem de pouso é do tipo triciclo, fixo, com amortecedores do tipo lâmina no trem principal e hidráulico no trem do nariz e rodas carenadas.

O design do Cessna 172 transpira simplicidade e praticidade. O alarme de perda de sustentação, que em outras aeronaves é um dispositivo elétrico, neste Cessna é um mecanismo aerodinâmico, um apito no bordo de ataque acionado pela sucção do ar para fora da asa, sucção esta causada pela depressão barométrica no bordo de ataque da asa. Acontecimento característico da perda de sustentação. As asas altas, por sua vez, abrigam os tanques de combustível. Isto permite a alimentação do motor por gravidade, sem a necessidade de uma bomba de combustível adicional (boost pump ou auxiliary pump) elétrica. Os amortecedores também mostram a simplicidade do design da Cessna. Do tipo lâmina de aço, os amortecedores do trem de pouso principal não possuem nenhum mecanismo hidráulico como em outras aeronaves da mesma categoria, como os monomotores de asa baixa da Piper Aircraft.

Corisco Aspirado

Corisco
Corisco Aspirado

Corisco Aspirado

O Embraer EMB-711 “Corisco” é um avião monomotor comercial a pistão, produzido no Brasil pela Embraer e posteriormente por sua subsidiária Neiva, sob licença da Piper Aircraft.

Trata-se do Cherokee Arrow II.

Equipado com motor Lycoming de 200 HP, desenvolve velocidade máxima de 265 km/h. Pode transportar quatro pessoas, incluindo o piloto. Conta com isolamento acústico e ventilação controlada.

Corisco II

Com cauda em “T”, onde o conjunto estabilizador horizontal é montado no topo do estabilizador vertical, o que evita o sopro das hélices e garante menor nível de vibração e ruído.

Em 1980 foi lançado o EMB 711 ST – Corisco II, ou Corisco Turbo, com turbocompressor e acabamento melhorado, que aumentou sua velocidade máxima para 330 km/h.

Bem aceito entre os aeroclubes brasileiros, além de uso para turismo, teve 477 unidades comercializadas.

Simulador

Simulador

Simulador

Simulador de voo AATD, MULTIMOTOR bi-place com completa instrumentação IFR incluindo HSI/RMI e opção de configuração com VOR ILS/VOR 2 e ADF. É certificado AATD (Advanced Aviation Training Device) pela ANAC, seguindo regulamentação AC-061-136 da FAA. O AATD reproduz com fidelidade as características de performance e aerodinâmica do Seneca V. Inclui uma completa e avançada estação de instrução, retroprojetor ou televisão para sistema visual, sistema de comunicação PTT (Push to Talk) instrutor-aluno e caixas de som e possibilidade de conexão GPS (real ou simulado). Este simulador abate 20 horas em CIV (Caderneta Individual de Voo) nos currículos homologados de treinamento IFR, 5 horas em currículo de voo VFR (Piloto Privado e Comercial) e 50 horas em currículo de treinamento PLA (Piloto de Linhas Aérea).
Fechar Menu